segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Flora do manguezal

Como é típico dos manguezais, é muito difícil identificar uma fauna exclusiva desse ecossistema. A maior parte das espécies de animais que ocorrem em manguezais também ocorrem em outros sistemas costeiros, como lagunas e estuários. Entretanto alguns desses animais têm suas maiores população em áreas de manguezal, sendo portanto típico, mais não exclusivo desses ecossistemas.




Os manguezais abrigam uma grande variedade de animais provenientes dos ambientes terrestre, marinho de água doce podendo variar desde alguns mm, até dezenas de cm, destacando-se :



Os moluscos: Muitos moluscos vivem enterrados na lama, como é o caso dos sururus, enquanto que outros se fixam às raízes do mangue, como as ostras, e outros ainda se encontram em galerias cavadas em pedaços de madeira, os turus. Podemos citar também como moluscos residentes no ambiente de manguezal, as lambretas, búzios, mexilhão, cracas;

Os crustáceos: Dentre os crustáceos, o mais conhecido é o caranguejo (Ucides cordatus), e também os siris, tanto o azul quanto o vermelho. Os camarões, pitus, também são importantes no manguezal;

As aves: O manguezal é um verdadeiro santuário de aves que vivem parte de sua vida nos manguezais, principalmente as migratórias (aquelas que estão sempre migrando de um lugar para outro) encontram nos mangues proteção para descansar e se reproduzir, tais como, as garças, os guarás, os falcões, biguás, etc;

Os anfíbios: No manguezal os anfíbios encontram refúgio e alimento, dentre outros citamos os sapos, rãs e jias;

Os Répteis: Os Répteis que podem ser encontrados nos manguezais são os cágados e os jacarés ;

Os Insetos: Existem uma infinidade de insetos nos manguezais, os mais importantes são as mutucas, os maruins, mosquitos e as abelhas, que inclusive estão sendo muito aproveitadas para a apicultura nos bosques e Avicennia.

Os Peixes: Os peixes podem passar toda a sua vida no manguezal, apenas uma fase ou apenas fazer migrações diárias de acordo com as mares, ou até mesmo fazer migrações semanárias, mensais ou anuais para a reprodução. Dentre as espécies, temos a sardinha, bagre, robalos, tainhas, baiacus, anchovas e outros;

Os mamíferos: Os mamíferos representam uma fauna diversificada dentro dos manguezais. Muitos visitam a noite, à procura de alimento. Morcegos, macacos, guaxinins, capivaras e outros.

A fauna no manguezal pode ser dividida em dois grupos, de acordo com o tempo que passa neste ecossistema:



O primeiro é formado por animais residentes, ou seja, aqueles que passam toda sua vida no mangue, principalmente os crustáceos e moluscos, como os caranguejos que vivem em tocas na lama, se alimentando de restos de folhas e pequenas algas presentes nas raízes das árvores e sobre o sedimento.

O segundo é constituído por animais semi-residentes, aqueles que vivem no mangue durante uma fase de sua vida. Um dos representantes desse grupo é o camarão, qual nasce no mar e vem para o mangue, ainda pequeno, em busca de proteção e alimento, retornando ao ambiente marinho depois de atingir o estágio juvenil. Já o pitu, deixa a água doce para desovar no manguezal. Seus "filhotes" passam os primeiros estágios de vida ali, retornando mais tarde para os rios. Na categoria de semi-residentes, incluem-se ainda muitos peixes que visitam os manguezais durante a maré cheia. Outros animais que freqüentam esses ecossistemas são as aves e os mamíferos.

Entre os habitantes do manguezal, os mais conhecidos são:



Aratu - Nome científico: Goniopsis cruentata. Tem como hábito subir nas árvores de mangue. Possui carapaça quadrada, pernas vermelhas com manchas púrpuras, pretas, brancas e pêlos pretos. As puãs são vermelhas, porém amarelo-darás nas extremidades. Alimenta-se de folhas. É bastante ativo sobre raízes, nos troncos e sobre a lama molhada. A época de acasalamento é entre janeiro e fevereiro.



Caranguejo-Uçá – Nome científico: Ucides cordatus. Entre os habitantes do manguezal é um dos mais conhecido. Importante alimento para moradores de diversas regiões brasileiras e principal fonte de renda de inúmeras famílias. No litoral do nordeste é muito apreciado e consumido nas barracas de praia, bares e restaurantes. Possui carapaça verde-azulada e pernas cobertas por pêlos. Alimenta-se de restos de folhas e algas, assim como de micro-vegetais (fungos). Vive em tocas de lama, geralmente sobre a sombra, em locais alagados pelas marés cheias. Acasala-se entre dezembro e março e reproduz-se entre março e junho, variando de acordo com as condições climáticas da região. É durante as "andadas", ocasião em que deixa suas tocas para o acasalamento. Atualmente, a expressiva redução na população desses crustáceo, resultante da caça predatória, do desrespeito à legislação ambiental e da precariedade da fiscalização dos manguezais, provoca até mesmo o temor extinção da espécie.



Siri - Nome Científico: Callinectes danae, C. sapidus. Os siris habitam desde as margens lodosas até as áreas mais profundas do estuários. Seu alimento pode ser tanto de origem animal quanto vegetal, sendo que sua preferência é de animais em processo inicial de decomposição . Suportam grande variações de salinidades e de temperatura. Sua reprodução geralmente ocorre em maio. As fêmeas podem carregar 150.000 a 200.000 ovos.



Guaiamu - Pata choca (fêmea ovada). Nome científico: Cardisoma guaiamuni. Possui coloração azul, sendo que as extremidade de suas patas e puãs são esbranquiçadas. O macho geralmente apresenta a puã esquerda maior do que a direita. Se alimenta de forma variada e composta por vegetais e animais. Também muito consumido, muitas vezes criado em cativeiro, em regime de engorda. Possui hábitos semi noturnos. Vive em locais mais secos, fora do alcance regular das margens. Escava suas tocas. A época de acasalamento é entre março e abril.



Teredo, turu ou buzano, é um molusco perfurador de madeiras, de corpo alongado e vermiforme, revestido por um tubo calcário. Além da madeira alimenta-se também de plâncton. Sua importância diz respeito à contribuição na reciclagem da matéria orgânica e como fonte de alimento para populações ribeirinhas. No entanto causa grandes prejuízos às embarcações de madeira.



Os manguezais estão entre os principais responsáveis pela manutenção de boa parte das atividades pesqueiras das regiões tropicais. Servem de refúgio natural para reprodução e desenvolvimento (berçário), assim como local para alimentação e proteção para crustáceos, moluscos e peixes de interesse comercial. Além dessas funções, os manguezais ainda contribuem para sobrevivência de aves, répteis e mamíferos, muitos deles integrados às listas de espécies ameaçadas de extinção.



A Fauna e a Flora dos manguezais são altamente especializadas, sobrevivendo em equilíbrio com o ambiente. Entretanto, distúrbios induzidos, principalmente por ações humanas podem desequilibrar essas relações levando á perca de populações inteiras de fauna e flora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu recadinho